Como pagar dívidas altas ganhando pouco

Tempo de leitura: 6 minutos

É certo que ter dívidas já não é uma situação agradável. Agora, se você tem dívidas altas e que superam muito a sua capacidade de pagamento, a situação se torna desesperadora.

Isso porque os juros no sistema financeiro não são nada amistosos. E se você deixa de pagar uma prestação, uma parcela, geralmente é difícil voltar ao controle.

O recomendado e permitido pelo Banco Central é que não se comprometa mais de 30% da renda com prestações. Pois isso passa a comprometer as necessidades básicas de qualquer pessoa, como alimentação, saúde, segurança, moradia, educação. Mas se você já está muito endividado, com 30, 40, 50% ou até mais da sua renda comprometidos, siga esse passo a passo que vai te ajudar.

Assista este vídeo que vai ajudar você neste Passo a Passo:

Passo 1: Descobrir o que gerou as dívidas

Uma dívida de 20 mil reais não se inicia nesse valor. Geralmente, ela começa em um cartão de crédito ou cheque especial de baixo valor.

O mecanismo da dívida é o seguinte:

  1. O cliente tem acesso a um crédito de alto valor de juros, como cheque especial e cartão de crédito.
  2. Quando ocorre algum imprevisto esse cliente não tem o dinheiro para pagar o total da fatura, ou cobrir o cheque especial. Ele começa a pagar os juros do rotativo.
  3. O valor das dívidas vai aumentando mês a mês e como ele sempre está devendo, ele começa a receber ofertas do próprio banco, para refinanciar o saldo (com juros).
  4. Com o refinanciamento, uma dívida de 5000 reais pode chegar a mais do dobro, dependendo do número de parcelas.
  5. O pior acontece quando o cliente não consegue pagar esse financiamento, por não ter capacidade financeira. Aí mais refinanciamentos e mais juros entram a cada acordo.
  6. Ele segue fazendo acordos com parcelas cada vez maiores e nunca se livra das dívidas.

O ideal é evitar que esse mecanismo se inicie. Desse modo, sabendo a origem da sua dívida, você evita cair novamente.

Passo 2: Priorize as sua dívidas mais urgentes

Muitos analistas e consultores recomendam que se pague primeiro as dívidas de mais juntos. E isso pode até fazer sentido matematicamente falando.

O problema é que analistas tratam dívidas (dos outros) como meras equações matemáticas. E não o são. Eu sei o que é ter dívidas que te tiram o sono. Eu sei o que é acordar à noite sem saber o que fazer, qual dívida pagar primeiro.

Chegar em casa cansado do trabalho, no dia do pagamento, e não ter nem um centavo pois os credores levaram tudo. e ainda ter que ouvir do cônjuge que não aguenta mais.

Por isso, eu desenvolvi um método, que me ajudou no passado e hoje auxilia centenas de clientes a escolher a dívida certa para pagar primeiro. é uma ferramenta avançada de análise de dívida e está disponível para os alunos do programa. Para conhecer o Dívida Zero, clique aqui.

Mesmo que você não tenha a oportunidade de se juntar ao ao Dívida Zero na próxima turma, você ainda vai precisar saber priorizar as suas dívidas, para pagar pelos menos a primeira.

E nesse caso, você deve fazer uma lista das suas dívidas e analisar, junto com sua família, quais trazem maior impacto para saúde (financeira, física e emocional) de vocês. Se você é solteiro ou sua família não sabe das dívidas, você pode fazer essa análise sozinho, não tem problema. Eu sempre falo de família pois geralmente não nos endividamos sozinhos. E a colaboração das pessoas que moram na sua casa ou dependem economicamente do seu salário é fundamental para o seu sucesso.

Priorize suas dívidas, escolha a mais urgente no momento e ela passará a ser o seu alvo.

Passo 3: Negocie junto ao credor da dívida mais importante

Uma vez escolhido o alvo, você deve entrar em contato com o credor. Não é hora de se esconder. Você deve procurar o credor e saber o saldo atual da dívida. Não se intimide comparando a dívida ao seu salário.

Atualize seu cadastro, informando o valor atual dos seus rendimentos líquidos. Avalie a sua capacidade financeira de pagar sem se endividar. Aproveite e informe ao credor a sua intenção de pagar um valor acessível, preferencialmente à vista. Lembre-se que o credor tem bastante interesse que você liquide a dívida, pois ela te impede de comprar novamente. além disso, geralmente a dívida já foi mais do que paga com os juros incluídos no parcelamento.

Em seguida, faça uma proposta para pagamento e tenha paciência de aguardar o credor ceder até um valor que caiba no seu orçamento.

Aqui você já aprendeu que não é o quanto você ganha que determina se você pode pagar suas dívidas. Realize esse pagamento e siga para a próxima dívida da lista.

Passo 4: Tenha uma renda extra

Não somente quando você quiser pagar dívidas, mas também para realizar seus sonhos, você deve procurar ter uma renda extra.

Se você considera que ganha pouco, o seu referencial de gastos está alto. Ou seja, seu padrão de vida supera o seus rendimentos. Isso pode ser uma fase momentânea, como uma baixa nas vendas, quando se tem uma empresa. Ou desemprego, mudanças de cidade, separações.

Adaptar-se ao novo padrão de vida não é tarefa fácil. E nesses casos, ter uma renda extra pode ser a solução que falta para você viver com mais tranquilidade, enquanto a tempestade não passa.

Aplicativos de trabalho, sites de freelancers, vendas online. Existem diversos tipos de renda extra que você pode realizar até a situação normalizar.

O importante é não deixar que o pesadelo das dívidas tire a sua paz e o ânimo para mudar a sua situação. Vamos juntos na missão.

Gostou desse artigo? Quer saber como ter uma renda extra?  Abaixo tenho um Vídeo Completo que preparamos.

Assista a Palestra Online Gratuita : “Como sair das dívidas sem fazer empréstimo em 8 semanas” Clique em no link Abaixo para Obter Horários das Sessões 👉 http://bit.ly/palestra_dividazero2

***Reserve logo porque temos poucas vagas***

 

Comentários no Facebook